Condignos e longe daqui

Inês Santinhos Gonçalves

Descobri que o Governo de Macau preza a justiça social acima de tudo. Temos vindo a ser muito injustos, sempre a criticar, sempre a apontar o dedo, que as casas estão mais caras, que o supermercado não se pode, só queixinhas. Afinal, ficámos a saber que o Governo, ciente do aumento do custo de vida, está a impedir os portugueses de virem para Macau com salários inferiores a 20 mil patacas – nalguns casos até mais. Se as pessoas não podem cá estar condignamente, é melhor que não estejam. O Governo de Macau não está aqui para explorar ninguém.

Será certamente má vontade minha, mas há questões que me intrigam. É que ainda na semana passada saíram os resultados do coeficiente de Gini que apontavam para uma maior distribuição da riqueza. Feitas as contas, a população de Macau tinha mais dinheiro que há cinco anos.

Além disso, se menos de 20 mil patacas por mês não garantem condignidade, porque é que o salário mínimo recomendado para as empregadas domésticas é de 2500 patacas? Já sei: é porque residentes e não-residentes são tratados de maneira diferente em Macau (são condignidades oito vezes inferiores). Ah, espera, também não pode ser isso. O Governo disse à ONU que os trabalhadores residentes e não-residentes eram tratados da mesma forma, perante a lei e na prática, e que têm direito a salários equivalentes para trabalho equivalente. Se o Governo de Macau diz, só pode ser verdade.

E depois há ainda a questão do salário mínimo, fixado pelo Governo em 28 patacas por hora – que feitas as contas a oito horas por dia, seis dias por semana, não chega a seis mil patacas por mês.

Será que o Governo não quer atribuir residência a trabalhadores vindos de outro país por haver falta de trabalho para quem cá nasceu? Parece que também não, já que a taxa de desemprego é abaixo dos dois por cento e a maioria das empresas se queixa – e algumas fecham – por falta de mão-de-obra.

Manifesto-me confusa, mas pode ser da minha matemática, que nunca foi grande coisa. Isto de ter meios de subsistência tem muito que se lhe diga e parece que muita gente tem sido excessivamente poupadinha. Pelo sim, pelo não, é melhor começarmos todos a pedir aumentos.

Advertisements
Standard

O exercício de voar

 

Márcia Souto*

 

“Liberdade, essa palavra

que o sonho humano alimenta

que não há ninguém que explique

e ninguém que não entenda”

(Cecília Meireles)

 

 

A literatura sempre nos faz companhia. Tanto mais reais quanto fictícios há personagens que nos carregam desde a sua gênese, que grudam em nós e não descolam nunca mais.

Certamente a família Buendía aderiu à pele de muitos leitores que não conseguem (e não querem) se esquecer da imobilidade radical orquestrada pelo patriarca  José Acádio Buendía.

Inesquecível o rasto de sangue que maculou Macondo aquando do Massacre dos Grevistas. Encantadoras as mágicas máquinas do cigano Melquíades e sua habilidade em fabricar sonhos.

E, ainda mais, a memorável Remédios, a Bela, cuja essência não poderia mesmo pertencer a nenhum dos mundos, daí o destino fê-la voar entre lençóis em direção ao firmamento.

Embora “Cem Anos de Solidão”, a obra-prima de Gabriel García Marquez, esteja embebida de realismo mágico, o caráter etéreo de Remédios, a Bela, é impressionante, devido à leveza da personagem, condição para seu levitar.

E voamos com ela.

Na primeira leitura que fiz deste romance, ainda jovem como a Remédios e a sonhar em ser bela como ela, a tragédia que trespassa esta personagem (e não só!) aterrorizou meu peito que arfava pelas primeiras descobertas do coração. Hoje, ao me lembrar, sinto vontade de rir, afinal amor e humor rimam, não é?

Remédios era livre, livre a ponto de voar…

……………

Na semana passada a presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, apresentou o projeto Net Mundial, de internet livre e segura. Em clara resposta às comprovadas práticas de espionagem por parte da Agência Americana de Inteligência, a Chefe do Governo brasileiro afirmou ser preciso respeitar os Direitos Humanos, tanto offline quanto online.

Embora não nos livre da dúvida metódica o fato de a espionagem ser justificada por cartesianas razões de segurança, sabemos nós que não é esta a essência da questão. Comprovou-se, no caso brasileiro, que se tratou de espionagem industrial, tendo a Petrobras, empresa que opera na área de combustíveis fósseis, sido a vítima do “voyeaurismo” da “concorrência”.

E por falar em petróleo, a liberdade de ir e vir está cada vez mais condicionada pela liberdade de compra. No Brasil, os engarrafamentos (como chamam as inúmeras filas de carros que não têm como andar) estão cada vez maiores. Quilômetros e quilômetros de inquietante espera. O transporte público é péssimo e a saída imediata tem sido o auto(i)móvel. O problema, que se repete nas grandes cidades de quase todo o mundo, pode revelar um viés perverso que nos leva a querer consumir liberdade, tendo o fio de Ariadne, às avessas, levado-nos ao labirinto da prisão da imobilidade. A solução? Quem sabe se no vaticinado pelo Nobel colombiano: leveza para voar…

……… ………… 

Ontem foi Abril e Portugal esteve em festa. Uns, pelo ideal da Revolução de 1974; outros, pelo Feriado apenas. Mas estávamos todos em festa. (“Foi bonita a Festa, pá/ Fiquei contente/ Ainda guardo renitente/ um velho cravo para mim”, vejo-me a cantarolar com Chico Buarque.)

Assistimos, pelo Rossio abaixo, ao desfile dos cravos vermelhos a lembrarem também que é Primavera, a estação mais linda do ano. Havia muita gente a protestar, a gritar, a sorrir. Gente que esteve no 25 de Abril, desconfiada, assustada ou eufórica. Gente que nasceu após o 25 de Abril, meio incrédula de que houve o dia 24. Sobretudo, havia crianças, muito mais do que vemos normalmente pelas ruas de Portugal. Nas mãos dos pequenos, o futuro se agiganta leve e determinado a voar, qual os balões de ar que soltavam para colorir de Abril o céu deste país, cujo destino, apesar do circunstancial peso, é o exercício de voar…

……….

Sem que ninguém explique, nem que ninguém entenda este concitar de liberdade, rosas amarelas, cravos vermelhos, a flora toda avisa que a Primavera chegou e com ela o perfume de Remédios, a Bela, a nos incitar a voar in line ou out line, mas sempre em brancos lençóis.

 

*Cronista

 

Standard

Rés-do-chão, a contar vindo do céu

Sónia Nunes

Há 1500 dias que aguardamos por este momento: o Chefe do Executivo, Chui Sai On, qual Mantorras da Santa Sancha, está a resolver coisas. O feito mais espantoso (e difícil de ser ultrapassado pelo carácter inusitado e mágico da empreitada) foi a acção de limpeza em Ka Ho que, numa semana, trouxe ar quase puro, 14 árvores e bonitas fotografias de céu azul, o que só demonstra que, quando o Governo quer e o Photoshop ajuda, a obra nasce. Com esta linha de acção governativa, conjugada com a linha de crédito empresarial para acabar com o Occupy Patane mais do que para salvar o Sin Fong, Chui Sai On conseguiu outro facto extraordinário: é um político que, de facto, as pessoas querem ver na rua.

Apesar do súbito índice de popularidade, o Chefe do Executivo não descansa confortavelmente à sombra do direito adquirido ao segundo mandato, nem ignora o vasto eleitorado que tem. As 400 pessoas da Comissão Eleitoral contêm em si multidões e Chui Sai On, conhecido leitor de Walt Whitman, tem consciência disso, tanto que, quando tomou posse, prometeu ter a “inovação necessária” para “responder ao sublime princípio de servir melhor o cidadão”. É este o contexto para a certeira e oportuna alteração à lei da actividade de mediação imobiliária destinada a resolver os problemas de quem verdadeiramente sofre com este flagelo. Exactamente: as agências.

O cidadão que está a ser mais bem servido por esta Administração é o indivíduo anónimo do sector imobiliário. Chui Sai On não receia tomar medidas impopulares (do mesmo modo que não receia não tomar medidas populares), nem se deixa conduzir pela tirania da maioria. É preciso ter coragem para nesta altura avançar com uma revisão legislativa para resolver o problema das 40 agências imobiliárias que perderam a licença de actividade, o que nos afectou a todos – foram menos 40 mediadores a cobrarem comissões, a pedirem contratos de um ano e a azucrinarem-nos por isto e por aquilo.

O mais giro é que estas agências perderam a licença por um problema de localização, que é tudo no mercado: estavam a funcionar no rés-do-chão de edifícios sem fins comerciais. E assim vão continuar porque, sem consultorias independentes ou consultas públicas, o Conselho Executivo decidiu mudar a lei “considerando que a actividade de mediação imobiliária já vinha sendo exercida antes da publicação da lei (…) e era exercida no rés-do-chão, pouco afectando os outros utilizadores do edifício”. É injusto não recordar aqui trabalho meritório do grupo de deputados que entregaram um parecer ao secretário para os Transportes e Obras Públicas a defender esta alteração à lei, mas é da vida.

Em Macau o bom é morar no logístico rés-do-chão em vez do modesto primeiro andar porque tudo é a contar vindo do céu. Se é verdade que o último ano de Governo antes de eleições é o melhor por mostrar as boas intenções de quem está no poder advinha-se um inferno cheio delas para os próximos cinco anos.

 

Standard

Dos Balcãs para o mundo: Goran Bregovic e a Orquestra de Casamentos e Funerais

Anson Ng*

Aclamado como incontornável embaixador da música dos Balcãs há mais de uma década, Goran Bregovic introduziu a música étnica do leste europeu ao resto do mundo. O compositor juntou influências sérvias, bósnias, croatas, búlgaras, gregas e ciganas, misturou-as com a sua fusão de rock, música clássica, reggae e tango e o resultado foi um som musical inesquecível.

Antes de começar a ser conhecido internacionalmente, Goran Bregovic já era uma estrela do rock no seu país. Foi o realizador sérvio Emir Kusturica que lhe abriu as portas além-fronteiras ao convidá-lo para compor várias bandas sonoras para os seus premiados filmes. Juntamente com a Orquestra de Casamentos e Funerais foi levado ao estrelato, tocou em icónicas salas de concerto e chegou a um público de mais de um milhão de pessoas.

De estrela rock a mestre das bandas sonoras 

Nascido em Sarajevo em 1950, de mãe sérvia e pai croata, Bregovic estava talvez destinado a fazer da música a sua ferramenta para exprimir os complexos sentimentos ligados à etnicidade. Os primeiros anos foram dedicados ao estudo do violino num conservatório, mas acabou por se sentir muito mais atraído pelo rock. Aos 16 anos formou os “White Button”, banda que ganhou imensa popularidade no Leste da Europa tendo vendido mais de seis milhões de álbuns, afirmando-se com o estatuto de banda idolatrada aos olhos do público jovem. Mas o rebentar da guerra nos Balcãs obrigou ao desmembramento do grupo. Foi nessa altura que Bregovic foi convidado por Emir Kusturica, seu amigo de longa data e realizador de cinema, para compor bandas sonoras. Viajou para Paris sem saber que estava à beira de embarcar noutra aventura musical. A parceria abrangeu “Time of the Gypsies” (1988), “Arizona Dream” (1993) e “Underground” (1995) todos eles tão bem recebidos pela crítica que o mundo parou para ouvir. Em 1994 compôs mais uma banda sonora, uma sinfonia rock para o Filme “Rainha Margot” de Patrice Chéreau – outro sucesso fenomenal. A comédia documental “Borat”, que em 2006 deu muito que falar, continha muita da sua música na banda sonora. Para além do grande ecrã, Bregovic também deixou a sua marca no teatro. Entre 1997 e 2001 juntou-se ao encenador Tomaz Pandur nas peças “Silêncio dos Balcãs” e “Divina Comédia” e, em 2004, terminou a sua primeira ópera “Carmen de Bregovic com um Final Feliz”. A produção multimédia “Planeta Azul”, de Peter Greenaway, apresentada em Macau em 2012 também inclui música de Bregovic, oferecendo ao público uma boa dose musical à moda do Leste europeu.

Mudar de vida

Em 1985 Bregovic anunciou o seu afastamento da música rock e passou os 10 anos seguintes nos bastidores, longe da ribalta. Só regressou aos palcos em 1995, depois de ter formado uma extensa orquestra de 120 elementos. Em 1997 reduziu-a a 50 músicos (às vezes 20 para facilitar espectáculos ao vivo). Inspirado nas bandas de música das aldeias da Europa de Leste, decide formar a Orquestra de Casamentos e Funerais para interpretar as suas próprias composições. Sob a sua direcção, a banda ganhou popularidade quando entrou em digressões e deu concertos em conhecidas salas de espectáculo em todo o mundo. O grupo destaca-se com uma mescla ecléctica de banda cigana, vozes búlgaras, percussão tradicional, cordas e guitarra eléctrica, criando música que percorre a escala das emoções humanas, do romance, paixão, tristeza e alegria à loucura sem limites. Posteriormente, os seus inúmeros álbuns a solo também se tornaram imensamente populares. Bregovic colaborou com músicos pop de diversas origens incluindo Iggy Pop, Ofra Haza, Cesária Évora, Scott Walker, Setzen Aksu, George Dalaras e os Gypsy Kings.

Champanhe para Ciganos

Bregovic traz a Macau os acordes electrizantes da sua Orquestra de Casamentos e Funerais num concerto que junta músicos oriundos de todos os cantos dos Balcãs. A orquestra inclui uma banda cigana de seis elementos, um ensemble tradicional feminino de vozes búlgaras, um coro ortodoxo masculino e um quarteto de cordas. Vão interpretar temas do mais recente álbum “Champagne for Gypsies” bem como outros sucessos de um percurso de fazer inveja. Este trabalho pode ser considerado como uma mostra retrospectiva de Bregovic enquanto músico. Como ele uma vez referiu, “O meu álbum é uma resposta à pressão extrema que os ciganos têm sofrido na Europa… os ciganos não são um problema deste mundo – eles têm sido sempre um dos talentos deste mundo. Neste concerto faço uma homenagem ao seu talento que tem inspirado compositores ao longo dos séculos”. Segundo se diz, quem frequenta os concertos deixa a sala a suar, porque a banda agita o espírito bailarino das pessoas, e assim que começa a tocar, o público entra em delírio. Tal como Bregovic uma vez disse, “quem não entra na loucura, não é normal!”.

*Colunista Musical e proprietário da Pintomusica

Standard

Os vampiros

[Escrita automática]

 

Maria Caetano

As efemérides têm o mérito de convocar, pelo menos, a reflexão, o momento em que nos interrogamos sobre o significado de comemorações ou da revivificação dos lutos, das causas que continuamos anualmente com maior ou menor energia, das festas que fazemos mais alegres ou cabisbaixos. O 25 de Abril de 1974, para mim, nunca foi mais que efeméride, com o proveito de ter sempre vivido em liberdade relativa e o também consequente estigma de pertencer às gerações pós-revolucionárias ditas ingratas ou alienadas das lutas mais corajosas.

Sou da geração “sensibilizada” para o 25 de Abril, como muitos. E, de tudo o que não testemunhámos, foi-nos entregue testemunho e ideário da gente que se exaltou, que se levantou acima do que era para ser parte de uma mole amiga e solidária, de um pensamento colectivo onde as preocupações eram públicas e o civismo, sobretudo, se confundia com a palavra “amizade”, com uma ideia de camaradagem. Houve um herói colectivo, o povo, e os anti-heróis derrubados, os vampiros de pés de lã que sugavam a manada. A história estava mais ou menos contada.

Não entravam ainda nestas contas o cinismo de um pensamento crítico ou a vontade de despedir os heróis que não fossem sempre consequentes com o ideal que celebravam. Ainda não entravam os ajustes históricos de contas e as transposições para os presentes estados de coisas – era pedagogia da pura para um caminho cívico-moral, com fé que a gente não esquecesse e, de alguma forma, agradecesse o facto de poder estar exactamente onde estava. E ainda bem. Acho que se vive muito bem com proselitismos desta natureza.

Isto para dizer que não me dana que o 25 de Abril não fosse tudo o que prometeu a quem lá estava. Ou seja, não vivo amargurada com isso, possivelmente em contrário a quem lá entregou tudo e sonhou acordado com uma camaradagem constante e com uma sociedade permanentemente empenhada. Não é que não queira sonhar com isso mas, na medida modesta em que vejo hoje portugueses e todos os outros ao redor, só concebo de eficaz um herói colectivo ou individual que se vigie constantemente para se certificar que, de noite, não é ele mesmo um vampiro.

A medida de um povo já me parece grande demais. Mas, ainda assim, cogito, e até admito que a gente se junte com solidariedade e concessões de individualidade para lutar por algo que seja maior que nós. Aliás, o espero. Mas tenho, depois de muita sensibilização – que levei a sério e sem ingratidão, pelo menos, premeditada –, que o que mais me preocupa é a possibilidade de me deitar à noite como gente boa do povo e acordar um dia transformada em vampiro, cheia de pezinhos de lã. Um trauma da infância pós-25 de Abril.

Standard

Quem é que se está a rir agora?

Iris Lei

Recentemente têm vindo a público relatórios e estatísticas que apontam para um conflito entre o grau de desenvolvimento económico do território e o nível de felicidade dos habitantes. Concluem que há maior pressão sobre os agregados familiares e mais desigualdade na distribuição da riqueza, o que tira os sorrisos dos lábios dos residentes.

Foi divulgado um estudo que avaliou as fotografias com sorrisos colocadas nas redes sociais por residentes de seis mil cidades do mundo, medindo a forma e o tamanho do sorriso. Ignorando questões de representatividade, já que acredito que há pouca probabilidade de os “infelizes” usarem o Instagram para se expressarem, o dito estudo concluiu que Macau está em melhor situação que Hong Kong e a China Continental, mas abaixo de Taiwan, com 13.3 pontos, numa escala que chega até aos 100 pontos.

Parece-me que o Chefe do Executivo acompanha os residentes, a avaliar pelo seu desempenho na Assembleia Legislativa, na terça-feira – não se viu nem um sorriso e, desde a visita a Ka Ho na semana passada, Chui apresenta um ar adoentado. Ao encorajar os empregadores do território a aumentar os salários, o Chefe do Executivo não deixou os patrões do sector privado mais contentes, até porque as suas declarações foram apenas uma lembrança, sem qualquer consequência prática.

A ausência de sorriso na cara de Chui pode dever-se às suas preocupações com a reeleição, estando apreensivo com a possibilidade de ter um concorrente poderoso e com a falta de confiança das associações tradicionais, ou até do Governo Central. O Chefe do Executivo pode ter dado um grande contributo para os maus resultados de Macau no estudo dos sorrisos, com a publicação de ‘selfies’ nas redes sociais.

O índice dos sorrisos pode reflectir a realidade – as pessoas sorriem, mas apenas uma minoria, e como referiu o deputado Mak Soi Kun, têm “sorrisos amargos”, obrigados a lidar com tantas dificuldades, como os transportes, a habitação e os serviços de saúde. Esses sorrisos matreiros e gargalhadas não podem ser medidos nas redes sociais.

Quem é que, entre os residentes, apresenta sorrisos mais rasgados? Os empresários, claro. Mostram-se satisfeitos com as medidas apresentadas para a procura de mais terrenos, o que vai gerar mais oportunidades de negócio na Ilha da Montanha. Como revelou o Chefe do Executivo, os contratos de concessão e subconcessão das operadoras de jogo vão ser revistos em 2015, cinco a sete anos antes de expirarem.

Não devemos também esquecer os membros da Associação de Conterrâneos de Jiangmen, já que o Chefe do Executivo abriu a possibilidade de cooperar com esta cidade do sul de Guangdong. De facto, Jiangmen tornou-se incontornável depois das eleições para a Assembleia Legislativa, e especialmente depois de milhões de patacas terem sido canalizadas para reconstruir o Edifício Sin Fong. Com fama e (elevados) juros, os sorrisos das pessoas de Jiangmen podem bater recordes na escala. Mas infelizmente o estudo não avaliou os seus ‘selfies’ no Instagram.

 

Standard

Tirem-me tudo menos o Gini

Inês Santinhos Gonçalves

Pelo menos quatro pessoas vieram duvidar dos resultados do recém-calculado coeficiente de Gini – o economista Albano Martins, o provedor da Santa Casa da Misericórdia António José de Freitas, o secretário-geral da Caritas Paul Pun e o professor de serviço social do Instituto Politécnico de Macau Larry So.

Porquê? Além de algumas lacunas nos dados apontadas por Martins, todos chamam a atenção para algo que consideram evidente, ainda que empírico: a vida é hoje significativamente mais cara do que há cinco anos e os aumentos, quando os há, não acompanham essa tendência. Ainda que os apoios do Governo tenham aumentado, há mais gente a ver o seu orçamento familiar encolher – António José de Freitas fala mesmo de “famílias escondidas” que “estão a passar por dificuldades”. Larry So sublinha que “o índice de Gini não reflecte o que as pessoas sentem e isso é mais importante que números”.

Numa era em que nos garantem que os números não mentem, como explicar esta disparidade? Os números dos Serviços de Estatística e Censos dizem mesmo que os agregados familiares com rendimentos mais baixos viram as suas receitas reais subirem 41,8 por cento nos últimos cinco anos e que a diferença entre os mais pobres e os mais ricos estreitou de 8,2 vezes para 7,2 vezes – os agregados familiares do quintil mais baixo deixaram de contar com receitas de 8115 patacas para passarem a ter 11.509 patacas. Será então que, como diz António José de Freitas ao Jornal Tribuna de Macau, os grandes afectados são a classe média, já sem a mesma folga orçamental de antes? Ou como afirma Larry So, os que, não sendo pobres, apenas conseguem tirar férias uma vez por ano “e não podem ir para longe”?

Parece que não. Ao canal chinês da Rádio Macau, Paul Pun alertou para um maior fosso entre ricos e pobres e garantiu que os aumentos para as famílias de rendimentos mais baixos têm sido insuficientes para fazer face à inflação e custos de habitação. Não se pode dizer que Paul Pun esteja alheado da realidade de Macau.

O que se passa, afinal? Como podem os números contrariar as evidências? Será da forma como foram feitos os inquéritos? Como foram tratados os dados? Será que a realidade ultrapassa aquilo que observamos no supermercado, nos restaurantes, na hora de pagar a renda, o combustível, a conta de telefone e a escola das crianças? Será que a realidade não condiz com as nossas contas bancárias, testemunhas de uma não autorizada dieta da margem de poupança? Estaremos perante uma distopia dos orçamentos familiares?

Não sei. Mas nesta altura em que se aproxima o fim do mês, uma altura sensível para as carteiras em geral, tenho a certeza que a população de Macau se sente reconfortada por saber que, pelo menos em números, estamos mais ricos e que essa riqueza está mais bem distribuída. Valha-nos isso. Valha-nos a nós e valha ao Chefe do Executivo, que um Gini mau em ano de eleições era um Gini para ser enfiado, à força, dentro da lâmpada.

Standard