Olhar ao Redor: O Humano e o Divino

1-luis-sequeira

O Evangelho deste Trigésimo Primeiro Domingo do Ano Litúrgico conta-nos o episódio  de  Zaqueu.  Este encontro é um daqueles que deixam  bem  patente e claro a interacção do humano com o divino na existência do homem ou da mulher neste mundo, mas,  particularmente,  quando tocados ou desafiados pela presença de Deus. Toda experiência espiritual ou religiosa implica  sempre a acção de Deus e a participação do ser humano.

Nesse sentido,  na narrativa evangélica pode ler-se:  «Um homem rico chamado Zaqueu… procurava ver quem era Jesus» Por outro lado, continua  o mesmo  texto sagrado dizendo que, «quando Jesus chegou ao local, olhou para cima e disse-lhe: ‘Zaqueu, desce depressa, que Eu, hoje, devo ficar em tua casa».  Como que Jesus e Zaqueu sentíssem  um  movimento do mais profundo do ser de  cada um  para buscar o outro: «Zaqueu procurava ver;   Jesus… devo ficar em tua casa…»

Que Deus nos criou, que nos conhece até ao mais ínfimo pormenor, que continuamente nos acompanha,  é uma constante do Antigo Testamento. Que Jesus Cristo, nosso Deus,  nos deseja,  nos quer,  nos ama intensamente  ao ponto de morrer por nós na Cruz constitui uma verdade inabalável,  de que não há que duvidar. A questão  não está em Deus,  mas, sim, no ser humano e, concretamente, na sua resposta. No caso de Zaqueu, apesar de pequeno e ignorante, mas desejoso de conhecer Jesus, avança destemido e sem vergonha e,  acima de tudo, põe os meios capazes de o ajudar a conseguir «ver quem era Jesus». Assim, «porque era de pequena estatura correu mais à frente e subiu a um sicómoro». A  participação nossa,  na procura de Deus ou na maior intimidade com Ele,  é fundamental e imprescindível.

**********

Agora, um outro aspecto e de uma outra perspectiva na compreensão da presença íntima de Deus nas nossas vidas. Como se, desta vez, o divino viesse ao encontro do humano. É o próprio Jesus que nos faz compreender esta dimensão. Jesus aproxima-se de todos quantos o procuram, segundo as características da personalidade ou do temperamento de cada um.  É a delicadeza de Deus.

Ele é o Mestre Divino, conhece os seus. Como o Senhor trata cada um como ele ou ela é! Neste contexto, sinto gosto em olhar para Jesus a escolher os seus futuros apóstolos: com Pedro, o líder, por exemplo, revela-se exigente e rigoroso. Passa-o  mesmo por  um longo escrutínio na maturação da sua vocação. A princípio, é um simples ‘vem e vê’. Despois, questiona as razões do seu seguimento: “Que dizes tu que Eu sou?’ Tu conheces-me verdadeiramente?”. Na ocasião, Jesus  até o chamou Satanás, tais eram os disparates que dizia. Por fim, avança mais afectuosamente: ‘Tu amas-me?’

Mas neste trato personalizado de Jesus, faz-nos sorrir a maneira como o Senhor trata Filipe, o intuitivo, e Natanael ou Bartolomeu, o racional. O primeiro é chamado e salta logo atrás do Senhor. Sente-se bem, e imediatamente, sem pensar muito, reage. Ao segundo, à maneira do racional, o Mestre responde, calmamente, ao seu Como? Quando? Tantas perguntas!

Finalmente, não podemos esquecer a fineza do Senhor com aquela mulher, tímida, que,  às escondidas, quer tocar-lhe no manto. Cura-a, mas ajuda-a também a ter confiança em si mesma e  a enfrentar a multidão.

***********

Ainda podemos perceber um outro nível da relação do Divino com o humano.  Quanto é proclamado, vezes sem conta, nos escritos da Bíblia e recitado nas orações do povo hebreu que Deus, o Senhor de Israel, escuta ‘o clamor dos pobres’, ‘o lamento do aflito.’

Tomemos, asgora, e meditemos mais profundamente o  Novo Testamento. Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem, encarna, pela Sua morte na Cruz, a dor dilacerante da Angústia que, de muitas e variadas maneiras,  termina com a morte do ser humano. Contudo, Ele, o Filho de Deus Ressuscitado,  no Seu corpo glorioso, liberta tudo e todos dos ‘grilhões da morte e do Mal’.  O Deus de Bondade e de Misericórdia, revelado em Jesus Cristo, escuta e entende ‘os gemidos’ mesmo os mais  imperceptíveis do ‘coração humano’.

Luís Sequeira. Sacerdote e antigo superior da Companhia de Jesus em Macau. Escreve neste espaço às sextas-feiras.

Advertisements
Standard

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s