Rio 2016 e o Foooooora Temer

Márcia Souto

 

Os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, desde o seu anúncio, há anos, têm sido rodeados por polémicas, devido sobretudo à crença de que a cidade seja incapaz de acolher de modo digno os atletas e torcedores esportivos.

A crise política que se instaurou no Brasil veio aumentar mais ainda os ceticismos, e a desconfiança de que a coisa não andaria bem passou de boca em boca.

Mas chegaram as Olimpíadas e, tal qual a Copa do Mundo de Futebol, em 2014, as previsões catastróficas não se concretizaram, mas nem tudo foi/está sendo “às mil maravilhas”.

Como era de se esperar, houve vaias na abertura, que se reverberaram em protestos durante competições. Segundo é sabido, a Presidente eleita foi afastada e tem seu mandato em risco de perda. Contra Dilma Rousseff, uma mídia elitista apoiou um golpe constitucional engendrado por uma classe política de base retrógrada, racista, homofóbica e machista, liderado pelo presidente interino Michel Temer. Assim, vimos o já famoso bordão “Fora Temer” virar marca constante nas audiências dos Jogos. Coerente com os princípios pelos quais reza, o Governo interino proibiu manifestação política durante as Olimpíadas e rodaram mundo as imagens de pessoas sendo retiradas de dentro de estádios ou lhes sendo confiscados cartazes em que expressavam pacificamente a revolta pela ditadura que pisca olho ao Brasil atualmente.

Neste clima de crispação e angústia, a resistência toma o Brasil e a vitória da judoca Rafaela Silva, primeira medalha de ouro brasileira neste Rio 2016, tem um sabor muito especial. Vindo de todas as margens possíveis e imagináveis (mulher, pobre, negra, lésbica), o Ouro da Rafaela parece dizer que o melhor do Brasil são os brasileiros que lutam contra as opressões visíveis e invisíveis que cada vez mais, infelizmente, tomam o lugar do poder político atual.

O beijo gay protagonizado pela jogadora da seleção brasileira de rugby e a sua namorada que a pediu em casamento, após a cerimónia de entrega das medalhas às campeãs australianas, também é um belo modo de manifestar resistência pacífica e olímpica à Idade das Trevas que teima em apagar o brilho da chama da liberdade no Brasil.

Como era de se esperar, são inúmeras as notícias de assaltos, problemas de infraestrutura ou desorganizações nos Jogos do Rio 2016, assim como a quebra de incríveis recordes, vitórias espetaculares, emocionantes competições, mas, sem dúvida, o que marca indelevelmente estas Olimpíadas brasileiras é o sorriso de quem acredita que, tal qual Chico Buarque canta em “Apesar de você”, amanhã há de ser outro dia.

Advertisements
Standard

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s