Dinâmicas e contextos da pós-transição

[O Portugal pós-eleitoral]

Carlos Piteira

Após uma campanha eleitoral “insípida” e sem qualquer nota digna de registo, mesmo admitindo o efeito secundário do candidato de Macau no círculo fora da Europa que levantou algumas posições interessantes no seio da comunidade portuguesa na RAEM, vemo-nos confrontados com um período pós eleitoral cheio de matérias e interpretações que nos levam a adquirir, para além do já nosso hábito de sermos “treinadores de bancada”, também a aderir a esta última moda de sermos “políticos de bancada”.

Não há quem não tenha uma opinião e uma ou várias soluções para a crise anunciada, passámos dos debates no hemiciclo para os debates nos cafés, restaurantes, em casa, nos transportes públicos ou mesmo em conversas entre amigos que nos enchem o final dos dias, todos têm uma agenda política no bolso ou na carteira, para solucionar os problemas do País.

O período pós eleitoral desta vez foi (e é ainda) um dos mais profícuos da nossa vivência em democracia e da liberdade de expressão, ninguém é condenado por ter uma opinião, até porque há para todos os gostos, os comentadores profissionais que o digam, resvalam entre as opiniões mais fundamentalistas e as que absorvem o total sincretismo político onde tudo é permitido, desde que se queira.

Perante este cenário torna-se muito difícil comentar, em estilo de crónica, qual ou quais a(s) melhor(es) leitura(s) que são de enaltecer, provavelmente todas e nenhuma, se tivermos em conta que o quotidiano não se compadece dos acordos ou das intenções na governação mas sim do dia-a-dia que se vai vivendo, e como é natural o que é bom para uns não será porventura tão bom para outros. Esta é a realidade nua e crua.

Recorrendo, em último recurso, aos contributos da ciência política, é bom não nos esquecermos que o objecto da mesma (O que é? E como se faz?) circunscreve-se à máxima de que a política é a forma de capturar, exercer e manter o poder, pelos meios mais adequados para obter os fins a que nos propomos.

Já quanto à ética na política é bom recordar que Maquiavel tratou deste assunto, já lá vão uns bons anos, ao abordar em meados do Séc. XVI a sua máxima de que os fins justificam os meios, ou seja, podemos estar acima da ética quando o fim se justifica, até porque a ética é também um valor flexível e adequado a cada circunstância.

Neste pressuposto, o que encontramos é uma fronteira entre quem exerce a política e quem dela não faz parte, ou seja, em quem governa e quem é governado, e aqui sem dúvida, o exercício de reflexão e de enquadramento permite-nos chegar pelo menos a uma pretensa conclusão, existe uma grande diferença em quem opina mas acaba sempre por ser governado e quem opina para exercer a política, nestes últimos não há excepção, todos pretendem, capturar, exercer e manter o poder.

Assim neste “rio” de opiniões, julgamentos, interpretações e convicções que este período pós eleitoral nos trouxe, pudemos pelo menos despertar o político que há em nós, mesmo que seja de uma bancada, que não é a do hemiciclo ou de uma sede de partido, todos nos sentimos “banhados” por esta nova “moda” de que afinal também sabemos de política.

Talvez o que não saibamos (ou não queiramos saber) é que para quem está do outro lado da fronteira, a exemplo dos treinadores profissionais, o enquadramento é outro e as variáveis também são de outra natureza, há quem lhe chame “jogos de poder” e só quem está dentro das regras do jogo é que pode jogá-lo, os outros são e serão sempre apenas os espectadores com direito a opinião e pouco mais.

Como vaticínio final quase que me apetece formular o óbvio nestas circunstâncias, prognósticos só no final do jogo, ou seja, resultados só depois de ver.

 

 

Advertisements
Standard

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s