Honrarás pai e mãe e o Governo da RAEM

Sónia Nunes

Das aulas de catequese que tive, sempre aos domingos e uma hora antes da missa, guardo vários episódios de boas intenções e talvez nenhum me tenha vindo mais à memória do que aquela vez em que o Padre João nos ensinou os Dez Mandamentos. Estávamos na Igreja, comigo já espantada com o facto de se poder falar alto sem ser para dizer o terço, quando fiquei a saber que havia uma alínea no “honrar pai e mãe” para abranger os “outros legítimos superiores”. A minha avó estava afinal incluída e o mundo como o conhecia mudou: o resultado das minhas confissões foi alargado para um Pai Nosso e três Ave-marias por desobediência qualificada.

Já noutras fases da vida e na companhia de outros católicos mal resolvidos dei por mim a tentar reproduzir de memória as orações e os princípios que aprendi na catequese, para me encontrar sempre sozinha na parte em que repetia de cor: “Honrarás pai e mãe e seus legítimos superiores”. Cheguei a pensar que o Padre João tinha inventado aquilo ou que era uma coisa lá da aldeia – até que a 6 de Julho de 2014, em Macau, abro o semanário Plataforma e o mundo volta a ser como eu o conhecia quando tinha uns dez anitos. Obrigada.

Página 13 do caderno A. O Bispo José Lai diz que isto da liberdade académica e do comentário político está tudo muito bem sim senhora desde que as críticas ao Governo sejam fundamentadas e “oportunas”. Em discurso directo fica melhor por causa da referência bíblica, perfeitamente localizada, como é hábito: “Se se disser que o Governo está a fazer mal, de acordo com o Evangelho, tem de se apresentar o facto que não está conforme”. Aqui está: “Outros legítimos superiores”. Não é só a minha avó. É também o Governo da RAEM e o terceiro Chefe do Executivo – e o quarto que, por coincidência, será a mesma pessoa apesar de, neste particular, o Evangelho ser, até ver, omisso.

Mais. A leitura cruzada das declarações do Bispo ao Clarim na sexta-feira permite-nos, com a devida vénia, chegar à conclusão que o mandamento completo é “honrarás pai e mãe e outros legítimos superiores, nomeadamente o Governo da RAEM e o Governo Popular Central”, o que só vem reforçar a ideia já feita de que o Governo é o pai de todos nós.

Explico: José Lai, presidente da Fundação Católica que gere a universidade que tem como princípio inviolável não ter intervenção política nos locais onde está inserida, diz não perceber as manifestações em Hong Kong já que Pequim é quem manda. O Bispo, que nomeia duas pessoas para o colégio eleitoral do Chefe do Executivo, facto que foi manchete no jornal que proibiu de fazer notícias de política, afirma também que o Livro Branco não vai além da Lei Básica.

Gabo a coerência de José Lai. Em curtas e evasivas intervenções públicas consegue confirmar que a Igreja Católica está afastada destas questões (a eleição do Chefe do Executivo não é política, é um espectáculo) e explicar o que quer dizer com crítica “oportuna” e com “factos”: o comentário político pode ser feito desde que seja para defender o Governo. Era este o ponto que faltava esclarecer – se bem que a frase “tudo o que está no Evangelho tem de ser defendido” possa levar uma pessoa a perguntar se José Lai está em crer que uma cidade, para sempre ligada ao pecado, deve ser destruída pelo fogo se nela não se encontrarem dez pessoas honestas.

Advertisements
Standard

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s